A dor é a manifestação primordial da vida. Tudo o que fazemos é para atenuar essa dor. A felicidade suprema seria a ausência total de dor. Eis uma tentativa de contribuição para minorar esse sentimento … Como naquela expressão inglesa: I have my moments, em resposta à pergunta, Are you happy?

segunda-feira, fevereiro 05, 2007

Trivialidades Ecológicas



Aproveitando a hora do almoço (ainda a decorrer) fui num instante tentar livrar-me do lixo reciclável que se tinha acumulado.

Passei por vários Ecopontos da minha zona, verificando que não conseguia esvaziar por completo a minha bagageira nas primeiras três, por estas estarem cheias, só conseguindo me livrar dos últimos garrafões de plástico no quarto.

Ao regressar a casa pus-me a questionar se valeu a pena os cerca de seis, sete quilómetros que fiz de carro, isto é, se o lixo que vai ser reciclado compensa o veneno que o meu automóvel lançou para o ar nesse percurso?

Poderão responder: Para a próxima vai a pé! E teriam razão se os Ecopontos fossem maiores, mais próximos e as minhas costas fossem mais largas.

Bom, e agora, ao trabalho!

3 comentários:

O Micróbio II disse...

Dá-te por feliz por encontrá-los cheios...é bom sinal! A mentalidade está a mudar!

Ai meu Deus disse...

é esta a justificação para o maior dos meus pecados ecológicos -- separar lixo, só (há muitos anos) as pilhas. O resto é tudo a monte.

É pecado, bem sei, mas... ai valha-me Deus!

Sem Quorum disse...

Por incrível que pareça, partilho o comentário do Micróbio: estarem os ecopontos cheios até nem é mau sinal. Ou então até é: podem significar desleixo dos serviços de recolha do lixo e dar assim uma falsa percepção de reciclagem eficaz.
Seja como for, antes queimar combustível do que seguir o mau exemplo do aivalha-me Deus - valha-nos a nós Ele também...
Aquele abraço!