A dor é a manifestação primordial da vida. Tudo o que fazemos é para atenuar essa dor. A felicidade suprema seria a ausência total de dor. Eis uma tentativa de contribuição para minorar esse sentimento … Como naquela expressão inglesa: I have my moments, em resposta à pergunta, Are you happy?

sexta-feira, dezembro 14, 2007

TRATADO DE LISBOA

Até que enfim! Alguma governabilidade para a Europa!

Apesar de algumas reservas que possa haver, penso que este tratado é positivo para a viabilidade do projecto europeu.

3 comentários:

Sem Quórum disse...

Folgo em saber que há quem ache que 27 sardinhas podem ser simultaneamente confeccionadas numa única brasa, tantas são as divergências, velocidades e convicções acerca da UE... A natureza do projecto europeu vê-se traída por um Tratado que concentra agora o poder nas quatro potências europeias, de cujo consenso dependerá qualquer decisão. A maioria dos países europeus terão de ser subservientes para com os Estados do Directório (incompatível com uma Europa Federal) e deixarão de ser necessários para uma busca de consensos. A UE é cada vez mais uma Europa de algumas - as mais dominantes - nações e não uma Europa de cidadãos. Além disso, deixa de fora a protecção do emprego e dos serviços públicos. Por outro lado, não só é ilegível, como com isso se pretendeu que não seja compreendido - é desprezo atrás de desprezo! Por que as Constituições dos diversos países são inteligíveis e claras, e esta Constituição europeia travestida de Tratado não o é? É antes um Tratado de tecnocratas e burocratas que, entre outros disparates gravosos, cozinharam o défice uniforme de 3%, com as consequências conhecidas para os membros mais pobres (a minha carteira que o diga!!).
Em vez de irmos passo a passo, como Monet asseverou, vamos com passos maiores que a perna na senda do neoliberalismo. Não, não é esta a Europa que eu quero! Não, esta Europa, com este Tratado, de tanto querer avançar cegamente, será um retrocesso no modelo desejável. E pensar que é melhor haver Tratado que não haver Tratado algum, é o mesmo que pensar que mais vale viver coxo e canceroso toda a vida do que nunca ter nascido! São perspectivas...
Abraço,
ALM

martim de gouveia e sousa disse...

ora abóbora, marco amigo...

O Micróbio II disse...

"... é o mesmo que pensar que mais vale viver coxo e canceroso toda a vida do que nunca ter nascido!" Mais uma vez, muito elucidativo o amigo Sem Quorum! Apesar dos pesares... UM FELIZ NATAL!!! :-)