A dor é a manifestação primordial da vida. Tudo o que fazemos é para atenuar essa dor. A felicidade suprema seria a ausência total de dor. Eis uma tentativa de contribuição para minorar esse sentimento … Como naquela expressão inglesa: I have my moments, em resposta à pergunta, Are you happy?

segunda-feira, abril 16, 2007

Estância Suprema Lusitana


Ai de vós, ai de vós
Que voltem a sujar
O bom-nome leonino

Ai de nós, ai de nós,
Que não podemos informar
Situações e factos com tino

Ai dele, ai dele
Que só sabe govengenhar
De diploma repentino

Ai do agente, ai do agente
Que não pode policiar
O terreno comercial e divino

Ai do povo, ai do povo
Que não sabe trabalhar
Ao toque de sino

Ai da gente, ai da gente
Que não sabemos dar
Uma tareia no menino

Ai de mim, ai de mim
Ainda tanta coisa por dizer
Deste Portugal tão pequenino
E que tanto precisa
de fazer o pino

3 comentários:

Sem Quorum disse...

Ai de nós, na cunha que se expande,
Do último ao primeiro!
F****-nos a vida como gente grande,
segundo a vontade do pseudoengenheiro!

O Micróbio II disse...

Ai dos blogs, ai dos blogs
que persistem no complexo "Astérix"
sempre com receio
que o céu lhes desabe em cima...

isabel mendes ferreira disse...

ai de nós....









:)))))))))))))



__________________


boa tarde.