A dor é a manifestação primordial da vida. Tudo o que fazemos é para atenuar essa dor. A felicidade suprema seria a ausência total de dor. Eis uma tentativa de contribuição para minorar esse sentimento … Como naquela expressão inglesa: I have my moments, em resposta à pergunta, Are you happy?

quinta-feira, setembro 06, 2007

Regresso ao Futuro de Portugal

Depois dos 3 mesinhos de férias de verão é o regresso ao “trabalho” na escolinha. Trabalho? Há! Há! Há! Reuniõesinhas de carácácá, em que se discute o sexo dos anjos (sabendo-se já que é com as asas para a frente para não estorvar).
Alegras-nos a ideia de ouvir as saudosas doces vozes das crianças nos pátios, ansiosas pelo toque da campainha, sedentos dos vários saberes extasiantes que lhes serão proporcionados pelos “stores”, especialmente os PTs que acumulam, com prazer e sabedoria anciã, os cargos mais importantes da escola.
Que alegria pensar no trabalho gratificante da docência neste Portugal de erudita tradição e de gosto ancestral de cultura.
Ahhhh! Como será bom depois de um trabalho aprazível os interregnos deleitantes do Natal, Carnaval, Páscoa e finalmente verão, para não falar nos imensos feriados, pontes e por aí fora!
Que boa vida!
Feliz dia em que escolhi esta profissão!

7 comentários:

Sem Quórum disse...

Como é que os que invejam as excessivas folgas dos profes não são eles tb profes... Das três uma: ou são intelectualmente limitados ("burros", numa acepção mais perceptível para os coitados), ou são murcões (quem é do Porto sabe o que isso quer dizer) ou então são masoquistas, passam o tempo a trabalhar (ou fingem!). É que ser professor sempre foi acessível à maioria.
Aceita o meu conselho: nos poucos dias do ano q temos de ir prá escola, vai metendo uns atestadozitos e uns artigos!
Abraço,
ALM

O Micróbio II disse...

A brincar, a brincar (com ou sem ironia...)... lá se vão dizendo as verdades!

Quanto às "orelhas" que o Sem Quorum coloca naqueles que, pobres coitados, não conseguem ir para professores (claramente condicionados por motivos de limitação intelectual) arrastando-se penosamente por outras profissões, só lhes resta "zurrar" pelos cantos invejando tal bafejo de sorte dos sobredotados "stores".

Confundir inveja com justiça é algo que contraria a sua privilegiada inteligência, amigo morcão (com "o")...

Sem Quórum disse...

A tua noção de justiça, Micróbio, até justifica assassinatos gratuitos na fogueira, excomunhões e abjectas censuras afins...
Estavamos bem entregues nas mãos de "intelectuais" como tu!
ALM

O Micróbio II disse...

Nota-se que ainda vives obcecado com acontecimentos de séculos passados... vê lá se te actualizas, rapaz! Os tempos do Trotsky e Staline já foram esquecidos e curiosamente são bem mais recentes do que os acontecimentos que citas no teu "intelectualmente" perfeito comentário...

martim de gouveia e sousa disse...

pois, pois... e abraço...

Ai meu Deus disse...

O que eu mais apreciei foi a (novíssima) designação dos PTs. Fico a saber que sou um PT (a EDP tinha prometido construir na minha zona um PT, por mor da baixa de tensão... vou contactar os meninos da energia, para lhes dizer que já não é preciso. Tenho um PT em casa. Bolas! agora é que a te(n)são vai mesmo subir!).

morffina disse...

Parabéns Gomes!